terça-feira, 16 de novembro de 2010

Queria viver num conto de fadas


No início teria um monte de problemas, exatamente como estou agora. Trabalharia duro e estudaria muito para conseguir ganhar meu dinheiro e conquistar minha independência. Seria diferente da maioria das pessoas da minha família e não desistiria dos meu sonhos, mesmo ouvindo todos os dias que estou fazendo escolhas erradas e que, por causa disto, morrerei de fome.

Eu seria perseguida por pessoas que não valem nada e perderia muito tempo com sentimentos levianos por pessoas que passarão. Elas simplesmente passarão, diante do príncipe encantado que há de surgir. Seja de cavalo, de jegue, bicicleta, moto ou um carrinho qualquer, mas ele há de chegar um dia. E aí, meus queridos, vai ser um Deus no acuda porque eu vou mudar pro castelo dele (serve um apartamento simples e a gente pode dividir as despesas, tá? rs) e vai ser um amor louco! (Esse é o parágrafo do sonho azul! hahahahaha)

No meu conto de fadas eu seria magra. Quem disser "mas lali, você tá seca!" leva porrada. Não é só ser magra, minha gente. É comer, sem culpa, os banquetes do castelo encantado sem engordar! Nunca, nem um graminha! Eu teria nascido magra, o que faria da minha pele bem firme e das minhas carnes durinhas sem precisar passar horas naquela academia fedida.

Eu teria dinheiro para comprar todas as futilidades que eu quisesse! Maquiagem, roupas, sapatos, bolsas, brinquinhos, pulseiras... Eu posso não ser a maior entendedora de moda do mundo nem a pessoa mais fashion que eu conheço, mas quem não tem vaidade e desejos de mulherzinha que levante a primeira pedra.

Mas o melhor do conto de fadas é que não importa tanto assim como você faz ou o que você faz. Qualquer coisa é possível de acontecer e há sempre uma certeza que reina, por mais complicadas que as coisas se tornem: no final, vai dar tudo certo e os bons vão sorrir.

Um comentário:

Mirdad disse...

Você já está sorrindo na foto.